A Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD), com sede no Porto, tem como objetivo principal direcionar recursos financeiros públicos, preferencialmente alavancados por cofinanciamento privado, e em particular Instrumentos Financeiros (IF) de Capital / Quase-Capital e Dívida de Médio e Longo Prazo, para que PME “viáveis” capitalizem os balanços e financiem os investimentos, no desenvolvimento da sua atividade em setores de bens ou serviços transacionáveis, nas fases de arranque, crescimento e transferência de propriedade.Criada em 21 de outubro de 2014 pelo Decreto-Lei 155/2014, a Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD) é uma sociedade financeira pública, registada no Banco de Portugal com o n.º 316, que tem como objeto a realização de operações que visem colmatar as insuficiências de mercado no financiamento de pequenas e médias empresas (PME), através da gestão de fundos de investimento, de outros patrimónios autónomos ou de instrumentos de natureza análoga, suportados por fundos públicos de apoio à economia, e da realização de operações de crédito, incluindo concessão de garantias e outros compromissos.

A IFD tem como Missão conceber, estruturar e operacionalizar soluções de financiamento que permitam colmatar falhas de mercado no acesso das PME portuguesas ao financiamento, contribuindo assim para o desenvolvimento económico e para a criação de riqueza e emprego, com volumes crescentes de valor acrescentado.
A IFD, entidade grossista, não concorre com as restantes Instituições Financeiras na oferta de produtos financeiros dirigidos às PME. Atua, isso sim, em complementaridade com a banca nacional e com outros parceiros privados, para colmatar as falhas de mercado existentes.

A IFD pode também desenvolver atividade de consultoria a PME, relacionada com a estrutura de capital, estratégia empresarial e questões conexas, assim como no domínio da fusão e compra de empresas.

O capital social é de 100 000 000,00€. O Estado português é o seu acionista único. Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Porto sob o número único de matrícula e identificação fiscal 513 230 068.

Produtos / Serviços

A IFD desenvolveu, numa primeira fase, as atividades inicialmente autorizadas pela Comissão Europeia, i.e. “gerir os programas de instrumentos financeiros ao abrigo dos Fundos Europeus Estruturais e de Investimento (FEEI) atribuídos a Portugal e os seus reembolsos, e dessa forma contribuir para colmatar as falhas de mercado no acesso ao financiamento pelas pequenas e médias empresas (PME) em Portugal.”.
A IFD, entidade grossista, atua em parceria com bancos comerciais, SGM (Sociedades de Garantia Mútua), investidores e outras entidades financeiras privadas, como sociedades de Private Equity, Capital de Risco e Business Angels, e com as instituições públicas existentes que lidam com garantias, em especial contragarantias mútuas.

Em novembro de 2016 foi aprovado, pela Comissão Europeia, o alargamento da atividade da IFD à Fase 2, que diz respeito à gestão de financiamentos multilaterais obtidos junto de instituições financeiras internacionais e/ou instituições de promoção congéneres, como o BEI (Banco Europeu de Investimento) ou o KfW (Kreditanstalt für Wiederaufbau), privilegiando a complementaridade com a banca comercial no acesso ao mercado e assumindo um papel grossista, seja na realização de operações On Lending (emprestando aos bancos retalhistas nacionais fundos que tome de outras instituições), ou atuando como Arranger (organizando operações com instituições internacionais a contratar diretamente entre estas e bancos nacionais).
Aguarda-se, ainda, autorização para prosseguir com a Fase 3, relativa à coordenação/integração de sociedades financeiras públicas ligadas ao financiamento das empresas e desenho de soluções Powered by IFD, com distribuição via rede existente na esfera pública (rede própria) e operadores privados parceiros (designadamente, SGM, Venture Capital, Business Angels, Banca, Bolsa, etc.).
Não está previsto que a IFD venha a conceder empréstimos diretamente às empresas, mesmos nas fases 2 e 3, mantendo-se o papel da IFD como de operador grossista, oferecendo financiamento aos intermediários financeiros privados, numa ótica estrita de não concorrência.

Estrutura

Conselho de Administração

Presidente Não Executivo
Alberto João Coraceiro de Castro
Vogais
António Henrique da Silva Cruz
Richard F. Pelly
Altina Sebastian Gonzalez
Maria Estela Guedes Barbosa Rodrigues Magalhães Barbot
Ana Beatriz de Azevedo Dias Antunes Freitas

Comissão Executiva

Vogais
António Henrique da Silva Cruz

Comissão de Auditoria

Presidente
Altina Sebastian Gonzalez
Vogais
Richard F. Pelly
Maria Estela Guedes Barbosa Rodrigues Magalhães Barbot

Mesa da Assembleia Geral

Presidente
António José da Glória Santos Gaspar
Secretária
Maria de Lurdes Pereira Moreira Correia de Castro

Revisor Oficial de Contas

Oliveira, Reis e Associados, SROC, Lda
Joaquim Oliveira de Jesus